submarino

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

O Hobbit: A Desolação de Smaug





No ultimo dia 13 de dezembro chegou aos cinemas brasileiros a segunda parte da franquia o Hobbit. Baseado no conto épico de J. R. R. Tolkien, mesmo autor de O Senhor dos Anéis, O Hobbit: A Desolação de Smaug revela como Bilbo Bolseiro usou o poderoso anel para recuperar  a Pedra Arken.

Nesse segundo longa, iniciado com O Hobbit: Uma Viagem Inesperada, o aclamado diretor Peter Jackson, responsável pela adaptação do book, trouxe algumas novidades a saga que prometem causar muito mexerico por algum tempo. Novidades que podem assustar os fãs de Tolkien.

Que saber quais foram as novidades que permitiram trazer Hobbit: A Desolação de Smaug aos cinemas. Segue com gente!


  • Orlando Bloon viveu Legolas na trilogia O Senhor dos Anéis. Ele retorna a Terra-media para liderar uma caçada a orcs. Mais uma vez Orlando surpreendeu a todos revivendo o elfo selvagem que já o tinha consagrado no passado. Detalhe: se Legolas é acrobata de primeira, Tauriel veio para matar o inimigo.
  • Tauriel (Evangeline Lilly) é uma elfa selvagem que nunca existiu nos livros de Tolkien, e principalmente na saga dos anões. Na historia de Bilbo nunca existiu uma presença feminina, mas mesmo assim Jackson trouxe Cate Blanchet para viver Galadriel como participação especial em anexo do livro para preencher a lacuna de O Hobbit.  Com a participação deTauriel, de quebra, Fran Walsh, Philippa Boyens, Peter Jackson e Guillermo del Toro, insinuam um triângulo amoroso entre os personagens Legolas, Tauriel e anão Kili (Aidan Turner).
  • Um dragão falante sob a Montanha Solitária. Ate parece filme dos Studios Disney, mas não é. É da Warner Bros, MGM e New Line Pictures. Criar um dragão falante não foi uma tarefa fácil para a equipe de Jackson, mas concede-lo uma voz assustadoramente e com forte teor hilariante, sintetiza bem os traços do personagem  elevou o “vacilo” da produção cinematográfica a um alto nível de qualidade nunca visto antes pela critica.

     
  • Peter Jackson foi mais além e ainda trouxe para as telas o Rei Thranduil (Lee Pace) que logo na tomada de Erebor, recusou-se a lutar ao lado dos anões para impedir o saque do dragão Smaug.



Escrita originalmente como historia infantil, Peter Jackson transformou O Hobbit em uma caçada ao mau, sem deixar de lado a essência original da historia: uma pitada de humor.
Creio que adaptações foram necessárias para poder trazer uma historia grandiosa as telonas. 

Independentemente de ter inserido ou excluídos personagem ou fatos que não estão retratados na obra original de Tolkien, em nenhum momento fica desqualificado a obre de J. R. R. Tolkien e nem a de Peter Jackson. Arrisco também a dizer que as adaptações permitiram que o telespectador pudesse fazer uma conexão entre as duas historias: O Hobbit e O Senhor dos Anéis.

Um final inesperado: um dragão voando sobre a montanha deixou um gostinho de quero mais. Pena que temos que esperar até estreia em 19 de dezembro de 2014 para vermos a parte final -  O Hobbit - Lá e De Volta Outra Vez.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...